Novo Chevrolet Prisma 2013, um Sport Sedan!

Um sedan com design de esportivo ou um esportivo com espaço de sedan? O novo Chevrolet Prisma foi completamente repensado para oferecer o melhor dos dois mundos. Se, por um lado, é um carro com todo o conforto e praticidade para as necessidades do dia a dia, por outro oferece um design agressivo e inovador que atrai todos os olhares. Seja qual for o seu estilo, esse é o carro que vai combinar com a sua vida.

Galeria de Fotos do Prisma

Notícias do Chevrolet Prisma

Inovações do Novo Prisma chama a atenção dos consumidores

Se vai ser Sport ou Sedã é você quem decide, mas o Novo Prisma tem muito mais que isso para te mostrar. Considerado uma versão sedã do Onix, o Prisma mostra ser muito mais que isso. De acordo com Hermann Mahnke, diretor de marketing da Chevrolet, o público que consome esse tipo de sedã busca semp...

Leia mais

Onix e Novo Prisma chegam à Argentina mais baratos

A Chevrolet passou a vender o Onix e o Prisma no mercado argentino. Nossos vizinhos recebem os carros, que são fabricados por aqui, com preço inferior ao praticado no Brasil. A versão de entrada do hatch, LS, não será comercializada lá. A mais simples, portanto, torna-se a LT, que integra motor 1...

Leia mais

Novo Prisma: o quase-cupê de quatro portas

GM esperava pela pergunta: por que batizaram o novo sedã derivado do Onix com o mesmo nome do Celta três-volumes? E tinha a resposta engatilhada: basicamente porque o Prisma foi um sucesso – ao menos entre os modelos com motor acima de 1.0, entre os quais o sedã teria sido líder. A questão é que ...

Leia mais

Vídeo de apresentação do novo Prisma 2013

Vídeo de apresentação oficial do novo Chevrolet Prisma 2013, equipado com motores 1.0 e 1.4 litro.

O que é?

Chamado pela marca de “Sport Sedan”, o novo Prisma é a variante três volumes do Onix. De acordo com Carlos Barba, diretor executivo de Design da GM América do Sul, a proposta visual do modelo seguiu três pilares: transmitir jovialidade, design agressivo e ter uma proporção de coupé. De fato, gostei muito do estilo do carro ao vê-lo ao vivo, principalmente nas cores mais vibrantes. Chama a atenção o casamento das linhas laterais com o terceiro volume elevado, o que mostra a dedicação da área de design em caprichar no estilo. A esportividade citada pelo executivo está presente na linha de cintura ascendente, pelos vincos laterais marcantes e lanternas que invadem a lateral.

Mas quando falamos em sedã, o principal atributo a ser considerado é o porta-malas. Neste quesito, o novo Prisma também manda bem: 500 litros de capacidade. A Chevrolet destacou que a largura de acesso ao compartimento, com 1,49 m de vão, e o ângulo de abertura da tampa mais ampliado facilitam no acesso, mas não achei que faz tanta diferença em relação aos concorrentes.

O interior é o mesmo do hatch, com plásticos rígidos no painel, mas tudo bem encaixado e visualmente agradável. Bancos, volante com ajuste de altura e demais comandos também permanecem inalterados em relação ao Onix. Mesmo com o bom sistema MyLink (opcional), faz falta os comandos de som integrados ao volante. Novidade no MyLink são novos aplicativos que possibilitam, inclusive, espelhar o recurso de navegação GPS do smartphone. As unidades disponíveis no evento de lançamento não estavam com os adesivos de personalização, item destacado no Onix. Pontos que poderiam ser melhorados permanecem iguais ao hatch, como os bancos com aquela regulagem de altura apenas do assento e os puxadores das portas dianteiras, que são recuados e numa posição baixa.

Apesar de algumas dimensões iguais às do Onix, como o entre eixos de 2,528 mm e a largura de 1,705 mm, obviamente, o Prisma 2013 é 30 centímetros mais comprido, com 4,275 mm. É um carro de proporções avantajadas para um sedã compacto.

Como anda?

O Prisma de entrada é equipado com o melhorado motor 1.0, que ganhou o sobrenome SPE/4, e entrega 80 cavalos de potência com etanol e 78 cv quando o combustível é gasolina. O torque máximo é de 9,8 kgfm com etanol a 5.200 rpm, e 9,5 kgfm com gasolina. Em trechos urbanos, o carro roda suave e mostra boa disposição – acima da média para um sedã 1.0. Mesmo quando subimos o giro do motor para a casa dos 5.000 rpm, o competente isolamento acústico mantém o nível de ruído extremamente baixo dentro da cabine.

Rodando na velocidade máxima permitida da estrada, 120 km/h, o Prisma transmitiu segurança, com pouca inclinação da carroceria nas curvas, reflexo da moderna plataforma GSV (a mesma do Cobalt, Spin e Sonic). Passamos por um trecho de serra e, mesmo entrando mais forte nas curvas, o carro se comportou muito bem. Se a suspensão agradou nas curvas, também se mostrou muito acertada em trechos irregulares e mal pavimentados, filtrando bem as imperfeições. É um carro que privilegia o conforto dos ocupantes.

Já o motor 1.4 gera 106 cavalos de potência e torque de 13,9 kgfm a partir de 4.800 rpm com etanol e 98 cv 13,0 kgfm com gasolina. É 1.4, mas pelas melhorias aplicadas, parece 1.6. Com este propulsor, o Prisma encara melhor as ladeiras e fica mais esperto nas ultrapassagens. Para quem volta e meia viaja com o carro abarrotado, é melhor pensar nesta opção mais forte.

Outro item de destaque é o câmbio manual de cinco marchas, que oferece encaixes precisos e trocas fáceis. É exatamente a mesma transmissão do Onix e Cobalt, a chamada caixa F17 geração 1.5. No segundo semestre, a Chevrolet lançará uma versão com câmbio automático de seis velocidades associado ao motor 1.4.

O consenso geral dos três ocupantes no trajeto de ida, onde revezamos entre a condução, banco do passageiro dianteiro e traseiro, é de que o carro oferece conforto para todos os ocupantes, inclusive com bom espaço para as pernas de quem vai atrás.

Quanto custa?

A briga no segmento será quente. O principal concorrente do Prisma será o Hyundai HB20 Sedan, que terá como principal trunfo o motor 1.6 16V de concepção mais moderna e 128 cv. Para atacar, a Chevrolet resolveu apostar no conteúdo. O Prisma de entrada é o 1.0 LT, que traz de série direção hidráulica, freios ABS com EBD, duplo airbag, vidros dianteiros elétricos e sensor de estacionamento. Esta versão, com pintura sólida, custa R$ 34.990.

A opção intermediária é o Prisma 1.4 LT, que por R$ 39.090 adiciona faróis com máscara negra e rodas de aço de 15 polegadas. A top de linha 1.4 LTZ salta para R$ 45.990 e adiciona o MyLink, rodas de alumínio de 15 polegadas, faróis auxiliares de neblina, ar-condicionado, vidros elétricos nas quatro portas, ajuste elétrico dos retrovisores e computador de bordo. Também há acessórios como kits de personalização com spoilers, saias laterais, aerfólio e até câmera de ré, que pode ser integrada ao MyLink.

O Prisma de entrada é até mais caro que alguns concorrentes, como por exemplo o Voyage, mas ao nivelar os equipamentos o sedã da Chevrolet fica mais atrativo. Fato é que a nova geração chegou mais cara e, inclusive, custa bem mais do que o Onix com o mesmo nível de equipamentos. Mesmo assim, a Chevrolet estima vender cerca de 6.000 unidades do novo sedã por mês. Resta ver como o HB20 Sedan se posicionará nesta briga.

Fonte: http://carplace.virgula.uol.com.br/volta-rapida-no...-rapida-novo-prisma/

Interior do novo Prisma

Como no Onix, os chamados “efeitos de jóia” conferem detalhes em todos os pontos do interior do veículo, como bancos, portas e painel de equipamentos. A nova leitura do clássico Dual Cockpit encontrado em outros modelos da Chevrolet e que mescla mostradores analógicos e digitais, com LEDs no painel de instrumentos na configuração Ice Blue, permite a perfeita visualização das informações, além de conferir ao carro modernidade e jovialidade. A ausência de bloco central de console, dando lugar a linhas horizontais contínuas em toda a extensão do painel do carro ajudam a ampliar a sensação de espaço e conforto.

Painéis e portas apresentam acabamento que combina nas cores preto “Jet Black” e m arrom "Very Dark Neutral”. O estofamento conta ainda com costuras "Golden Coast", que transmitem mais requinte junto aos detalhes cromados, aplicados em botões, aros das saídas de ar, anel da manopla de câmbio e maçanetas. Externamente, o modelo pode ser adquirido nos acabamentos Branco Summit, Preto Sólido, Vermelho Pepper, Prata Ice e Cinza Sand.

Dimensões do Prisma 2013

Compartilhando de algumas dimensões do Chevrolet Onix como entreeixos ( 2.528 mm) e largura ( 1.705 mm) , o Prisma 2013 é pouco mais de 30 centímetros mais comprido, com 4.275 mm. Tais dimensões são a garantia do conforto absoluto para os passageiros com amplo espaço para a acomodação e além dos 15 porta-objetos distribuídos no interior do novo Prisma.

Desenvolvido a partir da mesma arquitetura de modelos como Sonic, Cobalt, Spin e Onix, o Chevrolet Prisma 2013 tem as características fundamentais do DNA global da GM. E isso tem impacto direto na hora em que você utiliza o carro. “Esta arquitetura atende aos mais modernos padrões mundiais de qualidade e excelência. Utilizamos toda a experiência obtida em projetos recentes, como o Onix, mas não adaptamos simplesmente o projeto do hatchback. Criamos um totalmente novo com características e necessidades próprias”, explica o vice-presidente de Engenharia de Produto da GM América do Sul, William Bertagni.

Visando a uma dirigibilidade suave, silenciosa e com segurança de estabilidade, o executivo conta que foram feitas calibrações e acertos de suspensão e de chassi para conferir o equilíbrio dinâmico aos três volumes do veículo. A proposta era clara: o carro deveria ser confortável para seus passageiros, mas ágil para quem dirigisse. A suspensão dianteira é independente tipo McPherson, com barra estabilizadora ligada a haste tensora, molas helicoidais com carga lateral linear e amortecedor telescópico pressurizado estrutural.

Ao menos dois dados revelam essa proposta. No quesito rigidez torsional, o Prisma 2013 apresenta um comportamento 25% mais eficiente do que o modelo anterior. O coeficiente aerodinâmico por sua vez é de apenas 0,32. Os poucos décimos que separam o valor de outras referências, no entanto, representam uma significativa melhoria no que se refere ao desempenho e consumo do carro, que serão facilmente percebidos pelos consumidores. “Este é certamente o melhor coeficiente aerodinâmico do segmento. Por trabalharmos em sinergia total com a área de Design, conseguimos resultados acima da média que o consumidor atestará”, garante Bertagni, lembrando ainda que uma atenção especial ao design “clean” do porta-malas proporcionou a redução acentuada de vibrações da traseira.

Projetado para responder eficientemente ao ambiente, o Prisma usa de suas linhas esportivas para garantir um fluxo aerodinâmico de excelência. Isso, somado a motorização SPE/4 e a utilização de pneus com baixa resistência de rolamento, garantem ao sedã um elevado nível de eficiência energética. Em resumo: elevado desempenho com baixo consumo.

Para tanto, foram mais de 250 mil quilômetros rodados do Brasil em testes de durabilidade. T estes aerodinâmicos e de ruído, compatibilidade eletromagnética e desempenho do ar-condicionado foram realizados nos Estado Unidos, em centros especializados da GM.

Fonte: http://supercarros-carrosesportivos2012.blogspot.c...ela-de-precos-e.html

Antes e Depois

Veja como era o modelo antigo e como ficou o novo Prisma.

before after